Pular para o conteúdo principal

A Ceia do Senhor que Segrega

Hoje fui a um culto. Fazia tempo que não ia. Era culto de ceia.
Esse ritual eu conheço muito bem. Decorei o texto de 1 Coríntios 11:23-34 de tanto ouvi-lo nesses cultos. O pastor lê esse texto, dá uma lição de moral na igreja dizendo pra examinarmos a nós mesmo e vermos se somos "dignos" de participar da ceia do Senhor. Se não formos "dignos", não estamos discernindo o corpo de Cristo, estamos então comendo e bebendo para a nossa própria condenação.
Dá um medo. Nos perguntamos: "Será que sou digno?" Vi um irmão sentado a minha frente que deve ter respondido sim a essa pergunta, pois ele não participou. Vi um ou outro que também não participaram.
Agora eu me pergunto: só os santos de Cristo participaram da Santa Ceia? Os pecadores estavam de fora? É assim que separamos o mundo, santos e pecadores?

Não quero dar uma aula de exegese, até porque não tenho autoridade para isso, mas tenho curiosidade sobre a como devemos interpretar a bíblia. Então lá vou eu tentar explicar de uma forma fácil de entender. Se eu estiver errado, corrija-me, por favor. Mas antes, pense também se você não está equivocado, cego por uma tradição. Bom, vamos lá!


Paulo começa esse texto exortando a igreja de Coríntios. Eles estavam fazendo a ceia de modo errado (1Cor 11:17-19) Mas que ceia era essa? Seria um modelo da última ceia de Cristo com os discípulos?
Aquela ceia era a páscoa. Era uma baita janta. Não tinha apenas vinho e pão. No vs. 25, Paulo diz que depois da ceia Jesus tomou o vinho. Vamos contextualizar de uma forma jovem e descolada: Jesus divide o pão com todo mundo, diz que é o corpo dele, depois todo mundo enche o bucho e aí tomam o vinho. Uma janta normal entre amigos, mas essa só foi especial porque foi a última. Tiveram outras páscoas, outras jantas. Posso dizer então que a chamada Santa Ceia foi uma "janta dos brother. Fui bem jovem e descolado nessa afirmação, não?
Continuando.
Sabendo como foi a ceia de Cristo, voltamos para como era a ceia da igreja de Corinto. Essa ceia era conhecida como festa de amor. A galera trazia comida e todo mundo comia. Mais simples que isso impossível! Temos até aqui duas jantas entre amigos. Mas o que Paulo estava tentando corrigir? Regras de etiqueta?
No versículo 20 e 21 Paulo fala:
"Quando vocês se reúnem, não é para comer a ceia do Senhor, porque cada um come a sua própria ceia sem esperar pelos outros."
Olha a situação. Nessa janta cada um levava o seu salgado e seu refri, mas juntava tudo na festa e todo mundo comia. Só que tinha uma galera que não dividia o salgado. Chegava lá, comia tudo antes de todo mundo, tomava um refrizão, se chapava de vinho enquanto a galera que não tinha dinheiro pra levar salgado ficava de mãos abanando. Muito escroto esses caras, não?
O próximo versículo justifica toda a explicação que Paulo dá depois do versículo 23.
"Será que vocês não tem casa onde comer e beber? Ou desprezam a igreja de Deus e humilham os que nada têm? (...)"
 Esses caras estavam escrotizando a janta! Comiam toda a sua parte e não dividiam com ninguém.

Nos versículos 23 ao 26, Paulo explica como foi aquela última ceia. Não era um mandamento! Não era ensinando um ritual! Paulo estava repassando o que ouviu. Era uma historinha.

No versículo 27 Paulo fala sobre comer do pão e beber o cálice do Senhor indignamente. Vamos agora a interpretação de texto. Paulo, anteriormente, conta como foi aquela última ceia e faz uma analogia a ceia que estava acontecendo em Corinto. Pão e vinho são analogias ao pão e vinho que Jesus repartiu com os discípulos. Quanto ao indignamente, quero falar mais adiante.

No fim, tudo isso era pra exortar aqueles escrotos que não dividiam a comida com aqueles que passavam necessidades. Por isso Paulo fala "esperem uns pelos outros."
Comam juntos! Dividam o pão! Tomem o vinho! Relembrem que Cristo morreu por vocês! Não façam mal ao corpo de Cristo (igreja). Não façam divisões! Ajuntem-se! Examinem-se para ver se vocês não estão segregando ninguém e então COMAM! ALEGREM-SE! CRISTO MORREU POR VOCÊS! MORREU PELO RICO E PELO POBRE! AS DIFERENÇAS QUE EXISTIAM ENTRE VOCÊS MORRERAM JUNTO COM CRISTO NA CRUZ!

A ceia do Senhor não é um ritual. Não vai te dar poder e não é feita apenas para os "queridinhos do Senhor". O pastor orando não vai transformar o pão no corpo de Cristo e nem o vinho no sangue Dele.
A ceia do Senhor é feita para que todos se lembrem que Cristo morreu por todos, e hoje você, pobre, não passará fome. E você, rico, dividirá com seu irmão mais pobre. Cristo nos uniu. Uniu a igreja. Ai daquele que tentar separar a Igreja!

Agora quero falar do indignamente.
Quem é digno do sacrifício de Cristo? Será que alguém pode estufar o peito e dizer: "eu sou digno! Dá esse pão aqui!" Será que existe alguém com tamanha soberba a ponto de se achar digno?

Parece que esse é o papel da igreja hoje. Separar os dignos dos indignos. Os pecadores dos santos. Aqueles que comem e bebem e aqueles que não comem e nem bebem. Vocês, que segregam a Igreja, são indignos do Corpo de Cristo. Vocês não entenderam o que é o Corpo de Cristo. Examinem-se a si mesmo, e então, coma o pão com seu irmão.

Antes de encerrar, gostaria de falar sobre os fracos e doentes (vs. 30).
Temos  mania de levar tudo a uma espiritualidade que não existe. Ouvi esse mesmo pastor falando sobre fraqueza e doença espiritual. Mas não é isso. Eles estão fracos porque não comem! Estão doentes porque não se alimentam direito!
É inadmissível alguém fazer parte do Corpo de Cristo e passar fome.
Dois mil anos se passaram e repetimos a história da igreja de Corinto. Deixamos nossos irmãos morrerem de fome, enquanto nossa mesa está farta e sobra para os cães. Nós não estamos discernindo o Corpo do Senhor (vs. 29). Estamos comendo e bebendo para nossa própria condenação.
Examine-se! Porque você come e seu irmão não? Resolva isso!!!
Somente então coma do pão e beba do cálice.

Juntos! Rico e pobre em uma só mesa! Anunciando a morte do Senhor, até que Ele venha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tragédias

Tragédias. Acontecem. Todo o dia.
Claro que o que aconteceu com o time da Chapecoense choca a todos de um jeito maior. Eles eram o segundo time do Brasil. Eles estavam nos holofotes. Estavam no topo. Eles seriam campeões. Eles são campeões. E eles se foram. Quando uma tragédia dessas acontece, faz todo mundo refletir, nem que seja pelo curto espaço de tempo que a tragédia repercute. Refletimos sobre a vida, sobre a morte, sobre quem amamos, sobre quem odiamos, sobre o amanhã, sobre o ontem... enfim. Refletimos. Nesse momento de comoção e empatia somos iguais e todas os nossos conflitos se reduzem a nada. Tragédias também nos lembram que somos nada, mas não queria refletir sobre o efeito que as tragédias causam em nós, e sim no que é tragédia.
Seria a morte uma tragédia? Alguém que morreu consegue visualizar isso ou ele só dormiu? Morrer é a maior tragédia para o vivo? O morto não vai voltar para me responder essas coisas, apesar de algumas religiões afirmarem que eles voltam. Eles es…

Sou Salvo?

Eu tenho um problema com um ponto do calvinismo. Eu sei que quando as pessoas entendem esse ponto se sentem escolhidas, especiais ou qualquer coisa parecida. Eu não. O ponto da expiação limitada diz que Jesus não morreu por todos, e sim, por aqueles que o aceitariam. Poderia falar mais coisas sobre esse ponto, mas não sou teólogo e nem tenho pretensão de ser. Só quero compartilhar o que se passa nessa cabeça que, muitas vezes, nem eu entendo. Sendo assim, eu poderia ficar feliz com esse fato. Cristo morreu por mim! Essa informação nos dá alegria e esperança. Nos revela um Deus pessoal que se importa individualmente com aqueles que Ele salvou. Mas então, será que Deus me escolheu mesmo? Por que eu seria escolhido por Ele? Qual seria a grande motivação divina que faria com que a minha salvação fosse garantida? Por que eu? Por que não outro? Deus poderia salvar alguém bom no meu lugar, alguém que não se afunda no pecado como eu, alguém que faz algo de útil pelo outro, alguém que realment…

Fanático

Quando somos fanáticos por algo, geralmente não conseguimos pensar fora da caixa do fanatismo. Qualquer coisa que esteja em oposição é errado e muitas vezes deve ser combatido. Na verdade parece que sempre é combatido. Vejamos alguém fanático por um clube de futebol ou por um gênero musical. Nada que venha do outro lado é bom ou nos faz refletir um pouco. O outro lado é um inimigo mortal. Acho que essa foi uma boa definição de fanatismo. Agora vamos ao tempo que eu era fanático. Um fanático religioso. O pior tipo de fanático. Passei muito tempo achando que o inimigo estava nos outros por não serem tão religiosos como eu. Como podia alguém gostar de festas e bebidas quando se tinha uma igreja tão legal e atraente perto de casa? Como pode alguém se “entregar ao pecado” quando Deus nos oferece uma vida felicíssima de “não faça isso e não faça aquilo”? Eu não conseguia compreender o que fazia as pessoas não viverem a vida que eu vivia. E na maioria das vezes condenava elas por não viverem…